Carta em que Pfizer cobrou resposta do governo sobre vacinas chegou ao gabinete de Bolsonaro

Documentos do governo federal mostram que uma carta da Pfizer na qual a empresa cobrou resposta sobre a oferta de vacinas contra a Covid-19 chegou ao gabinete do presidente Jair Bolsonaro em setembro de 2020.

Na carta, o presidente da Pfizer, Albert Bourla, informa a Bolsonaro que representantes da farmacêutica haviam se reunido com representantes do governo para discutir a compra de vacinas, mas que a empresa ainda não havia obtido resposta.

A existência dessa carta foi revelada em 12 de maio por Fábio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação da Presidência, em depoimento à CPI da Covid. Wajngarten disse que soube da carta em 9 de novembro, o que demonstraria que a empresa ficou sem resposta por dois meses.

O contrato entre o governo federal e a Pfizer foi assinado em março de 2021, seis meses após a carta da empresa ter sido enviada a Bolsonaro.

>> Veja a carta da Pfizer ao final desta reportagem.

Também em depoimento à CPI, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse que informou Bolsonaro “o tempo todo” sobre as negociações com a Pfizer. E que o governo não aceitou as ofertas da farmacêutica em 2020 porque considerou caro o preço das doses em relação a outros laboratórios.

>>> Veja, na imagem abaixo, de 14 de setembro de 2020, o ofício enviado pela Presidência à Pfizer, comunicando o recebimento da carta:

Documento da Presidência informa à Pfizer o recebimento da carta sobre vacina contra a Covid — Foto: Reprodução

Documento da Presidência informa à Pfizer o recebimento da carta sobre vacina contra a Covid — Foto: Reprodução

Recebimento da carta

Conforme os documentos disponibilizados pela Presidência, a chefe do Gabinete Adjunto de Gestão Interna, Aida Íris de Oliveira, acusou recebimento da carta da Pfizer. A área comandada por Aida integra o gabinete pessoal do presidente da República.

De acordo com os registros internos, disponibilizados por meio da Lei de Acesso, a carta assinada pelo presidente mundial da Pfizer, Albert Bourla, foi enviada ao Palácio do Planalto em 12 de setembro de 2020.

Dois dias depois, Aida Oliveira acusou o recebimento do documento e, por meio de ofício enviado à Pfizer, informou que encaminharia o ofício ao Ministério da Saúde e à Casa Civil.

>>> Veja, no documento abaixo, o documento enviado pela Presidência à Casa Civil e ao Ministério da Saúde sobre a carta da Pfizer:

Documento da Presidência informando o Ministério da Saúde e a Casa Civil sobre carta da Pfizer sobre vacinas — Foto: Reprodução

Documento da Presidência informando o Ministério da Saúde e a Casa Civil sobre carta da Pfizer sobre vacinas — Foto: Reprodução

Rota da carta

Após acusar o recebimento da carta, Aida Íris de Oliveira encaminhou o documento aos chefes de gabinete dos então ministros da Casa Civil, Braga Netto, e da Saúde, Eduardo Pazuello. O presidente da Pfizer foi comunicado do encaminhamento.

Na Casa Civil, o documento foi encaminhado para Secretaria-Executiva, Subchefia Adjunta de Política Econômica, Subchefia de Articulação e Monitoramento do órgão.

Em 9 de outubro, um assessor da Secretaria-Executiva pediu o arquivamento do caso por entender que o assunto competia ao Ministério da Saúde.

No entanto, esse mesmo assessor escreveu que cabia à Casa Civil “monitorar e acompanhar as negociações” entre o Ministério da Saúde e a Pfizer pela vacina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *